02 dezembro 2013

Luxo e Secret Shopping (parte 2)


Há um fenômeno relativamente recente e algo paradoxal, que começa a ganhar relevo no mercado do luxo, sobretudo na Europa. Refiro-me ao Secret Shopping.
Esta tendência internacional convida as marcas premium e de luxo à reflexão e eventual adequação de algumas boas práticas. Quo vadis, Luxus?

No entanto, essa propensão crescente e internacional para o Secret Shopping não significa que todos os consumidores se comportam dessa maneira. A compra e o consumo de luxo com exuberância continua ainda a ter seguidores e parece ser um fenômeno com características culturais e demográficas, tendo maior adesão em públicos de determinados aspectos sociais, etários e regiões do globo. 

O ouro comestível está cada vez mais em voga na gastronomia de luxo e no champagne que se bebe em alguns restaurantes, bares e hotéis de Monte Carlo, cada vez mais frequentada por milionários russos. Algumas discotecas e clubes privados em São Paulo, Dubai e Hong Kong promovem um pequeno show de fogo de artifício, com desfile de bailarinas, cada vez que alguém pede a garrafa de champagne mais cara do menu.  

Foto ilustrativa
Perante a diversidade de consumidores de luxo e o leque de comportamentos, que oscila entre a discrição e a ostentação, o que podem e devem fazer as marcas de luxo? Em minha opinião, devem aprender a “ler” o cliente e lhe proporcionar a experiência adequada no atendimento e entrega do produto ou serviço.

Naturalmente que esta não é tarefa fácil, mas é decisiva para conquistar e sobretudo fidelizar o cliente à marca. Algumas marcas de luxo, de produto tangível, na moda, nos vinhos, na joalharia, nos perfumes e complementos, ou exclusivamente de serviços, na hotelaria de luxo e de charme, nos spas, no negócio do divertimento e das sensações únicas, apostam crescentemente na figura de um director de experiências ou então na criação de um cargo que, a mim, me agrada particularmente, a do CHO - Chief Happiness Officer, ou seja, alguém com formação e talento para desenhar e implementar procedimentos que garantam a felicidade dos clientes durante a compra do produto ou o consumo do serviço.

Existe muito trabalho por fazer neste domínio. No entanto, eu destacaria duas preocupações que me parecem importantes:
o desenvolvimento das vendas, na internet - que crescem paradoxalmente no mercado do luxo – deve ser complementado com detalhes que potenciem a experiência luxuosa, no momento da recepção e abertura da embalagem, em casa ou no hotel;
o reforço de uma prática típica de marketing de serviços, que é a gestão da compatibilidade dos clientes - ou da falta dela - tanto em loja, quando da compra do produto, como no local de consumo do serviço. Nem todos os clientes são compatíveis entre si, nem todos se comportam com o mesmo padrão e a marca deve implementar medidas para gerir essa falta de compatibilidade e atendê-los, sem que eles se incomodem uns aos outros, com os seus comportamentos diferentes.

Porque há e sempre haverá aqueles que buscam simplicidade, sobriedade e prazer individual no consumo de luxo e os que desejam competição social, ostentação ou aspiração a um outro nível. E todos esses comportamentos são legítimos. Compete às marcas decidir quem querem servir ou então saberem lidar com todos eles.

António Paraíso
Consultor e Palestrante
www.antonioparaiso.com

21 novembro 2013

Luxo e Secret Shopping (parte 1)

Existe um fenômeno relativamente recente e algo paradoxal, que começa ganhando relevo no mercado do luxo, sobretudo na Europa. Me refiro ao Secret Shopping.

Esta tendência internacional convida as marcas premium e de luxo à reflexão e eventual adequação de algumas boas práticas. Quo vadis, Luxus?

Há tempos li um artigo interessante sobre este fenômeno escrito pela minha amiga Susana Costa e Silva, professora e investigadora de marketing da Universidade Católica Portuguesa, e professora convidada de várias universidades em todo o mundo. Esse artigo defendia que a crise recente está fazendo com que os clientes de marcas de luxo se tornem socialmente mais responsáveis e mais discretos na forma de compra e de consumo, para não ferir a sensibilidade dos que estão sofrendo com a crise. Esse artigo citava ainda o meu amigo Milton Pedraza, Presidente do Luxury Institute, com quem me encontrei recentemente em Nova Iorque. Ele afirma que “É de mau gosto, hoje em dia, consumir luxo de forma exuberante e exibicionista”. 

Uma amiga minha que vive na Espanha e trabalha numa das lojas de uma conhecidíssima marca francesa de luxo, me contou recentemente num jantar que, nos últimos tempos, tem aumentado a frequência de compra, por telefone e internet, de bolsas dessa marca, a preços que rondam 5000 euros. Essas clientes querem continuar comprando e usando os seus artigos de luxo favoritos, mas não querem ser vistas comprando na loja, nestes tempos de crise e recessão. 



Li num das edições da newsletter Universia Knowledge da Wharton Business School, uma opinião de Roxanne Paschall, diretora de merchandising da marca italiana de luxo Bottega Veneta. Ela diz que “de certa forma é pouco elegante sair por aí exibindo o que se comprou. Os clientes pedem cada vez mais embalagens simples, sem marca, sem caixas, ou pedem que o produto seja entregue no hotel. Não querem que se saiba o que compraram. Não querem alarde”.

Estes três episódios avulsos provocaram em mim momentos de reflexão. A crise financeira mundial que estamos vivendo, que é também consequência de uma crise de valores, está contribuindo lentamente para uma mudança de atitude dos consumidores em relação a produtos de luxo e à forma como os compram. Aparentemente, está crescendo o consumo de luxo pelo prazer pessoal, pelo desfrute discreto, longe de olhares alheios e há mesmo quem defenda que o consumo conspícuo, no futuro, deixará de ser padrão nos mercados do luxo. Naturalmente que essas mudanças de comportamento são lentas, graduais e mais notórias em algumas regiões do mundo do que em outras. Essa mudança nunca é igual nem uniforme, através do globo. 
(Fim da parte 1; Parte 2 em breve)

Antonio Paraíso
Consultor e palestrante
www.antonioparaiso.com  

05 novembro 2013

LUXURY, ITALIAN STYLE AND INNOVATIVE PATENTS FOR THE GREAT SUCCESS OF SEA-GOD WATCHES COLLECTION AND EXCLUSIVE PORTOROTONDO LIMITED EDITION

Swiss Made quality and Italian design stand for Sea-God automatic watches BlackStorm and Portorotondo collection: luxury timepieces, waterproof until 30 ATM.

Sea-God brand was founded in 2003 from the passion for haute horlogerie of Enzo Palazzolo. Successful entrepreneur and collector of watches he has created fashionable timepieces for the connoisseurs and enthusiasts, merging Italian style with the best Swiss technique watchmaking tradition combine in an elegant sportiness.

As the name suggest, Sea-God watches are inspired by the sea, therefore water is the distinctive feature. Being water resistance up to 300 meters make them unique because they offer to their users a rare privilege: the liberty of use.

High-end, refined and sporty watches they can be worrn-day without giving-up the style and elegance, which always characterize Italian excellence.

Two innovative patents make Sea-God watches unique and stands for this brand constant pursuit of innovation.


The first concerns the crown. A special screw system allows the logo placed on the crown to be always in a vertical position. This eliminates the annoying problem of the logo not being perpendicular with the case, therefore allowing the logo to have a perfect visibility. All Sea-God watches have already this crown locking system on the case.

The second one concerns the bezel. It can simply be removed by loosening a pair of screws without levering with a tool between the case and the bezel. In this way it can avoid to damage the timepieces as happens with the traditional system that is used by the major watchmakers.

Sea-God BlackStorm and Portorotondo collection was presented in 2012 at Baselworld, was enriched in 2013 by the Chronograph collection and has already been marketed successfully in Europe and other countries all over the world, consist in six lines with three models: simple time, date and GMT. The lines are: BlackStorm and BlackStorm Date, GMT III, Black&White, BlackShadow and the exclusive Portorotondo Limited Edition.

This latter is the flagship model of the collection and is inspired by the exclusive Sardinian resort, it is produced in a Limited Edition: 499 numbered pieces that hold the attention to details and the quality of the materials that Sea-God utilize for each 30 atm waterproof watches.


The stylized waves and the Trident which is the sceptre of the sea’s God Poseidon are the elements that characterize the logo of the brand and become sought-after details.

An intense and deep black enshroud every single component, gives the watch a sporty design that turns into elegance thanks to the contrast between the shiny and the satin effects, which are used for the carrure finishing. The bright red, used for the “Portorotondo” writing highlights black enamel of the dial on which stand out the numbers, the bright indices and the skeleton second hands personalized with a red Trident.

The case has a diameter of 46mm made in 316L steel with black DLC coating on which the brand Sea-God is engraved, and encloses an automatic swiss movement. The bezel is stainless steel made and the thread of the titanium screws has the shape of sea wave. The bezel is in fifth grade titanium and has a unidirectional rotation. The milled crown has a DLC coating and it is characterized by the improved and patented screwing system.


The dial is protected by a curved sapphire crystal with anti-glare treatment on both sides. The case back which is enriched by the incision of the Trident is made in 316L steel with black DLC coating and it is clamped with 12 steel screws with the thread that reminds the sea wave. An anti-shock system complete the finishing of the timepieces: it protects the watches from fall and absorbs the noise of the rotor and the ticking of the balance wheel. It is also an aesthetical feature to cover the inner screws. The black rubber bracelet is reinforced on the sides, which allows for fit.

Portorotondo is available also in Limited Edition GMT version whose main feature is the 2893-2 movement and the bidirectional 5th grade titanium bezel.

Montres Sea-God
Communication Manager: Emanuela Borri
comunicazione@seagod.ch

Montres Sea-God Genève
Strategic Head Office: Via Roncaglia 11 6883 Novazzano CH Switzerland
Branch Office: Via Soldini 11 6830 Chiasso CH Switzerland

www.sea-god.ch

Facebook fan page: Sea-God
Linkedin groups: Sea-God SA Genève

29 outubro 2013

Naturally Clicquot

Caros amigos do Blog MAC, seguindo ainda a linha sobre sustentabilidade das marcas no mercado de luxo, resolvi fazer um post que está totalmente alinhado com o último artigo do meu amigo Antonio Paraíso, onde ele fala sobre a tendência verde das marcas de luxo.

A convite da Maison francesa o designer francês Cédric Ragot desenvolveu a primeira embalagem 100% biodegradável para a garrafa do Champanhe Veuve Clicquot. Essa novidade foi batizada de Naturally Clicquot, utilizando a inovação aliada ao design, essa obra de arte é feita a partir de batata e papel reciclado, tornando-se completamente biodegradável e amiga do meio ambiente.

Foto: Divulgação
Com essa simples solução, eles conseguiram a redução na geração de resíduos e diminuir o impacto ao meio ambiente, não deixando de lado a facilidade de manuseio e sua elegância. Além disso, a embalagem consegue preservar a temperatura da garrafa por até duas horas depois dela ter sido tirada da geladeira. Claro que essa novidade tem um preço, custa US$ 58 dólares. Ainda não se tem informações sobre a venda no Brasil.

Confira o vídeo promocional da nova embalagem:



Fonte: Exame e Veuve Clicqout

27 outubro 2013

O Luxo está se tornando mais verde (Parte 2)

A recessão mundial que dura há já 5 anos (começou em 2008 com a crise sub-prime e a falência do Banco Lehman Brothers, lembra?) afectou também a situação inanceira de muitas pessoas  que consomem luxo regularmente. De alguma forma, os obrigou a reavaliar os seus estilos de vida e a repensar os valores pelos quais se regem.

Entre outras, sentem preocupação crescente com o ambiente e privilegiam marcas que também a sintam. Quo vadis, Luxus?
(Parte 2)

E não podemos nos iludir: uma outra pesquisa recente, elaborada pela especialista Pamela Danzinger, que entrevistou mais de 1000 consumidores com rendimento anual acima dos 150.000 dólares, nos Estados Unidos, revela que cerca de 75% deles, admite que a sua decisão de compra de certos produtos é influenciada pela política ambiental que a marca comunica. E cerca de 65% desses consumidores garantiu que escolhe onde comprar, em função das práticas verdes regulares das marcas e lojas.

Por esse motivo, acredito que faz sentido refletir sobre as idéias de Daniel Esty, professor de política ambiental na Universidade de Yale e especialista internacional em desenvolvimento sustentável, cuja palestra eu assisti, numa conferência em Madrid.
Ele defendeu que as empresas devem apostar num plano de responsabilidade ambiental, estruturado em 4 tipos de ações a serem desenvolvidas e aplicadas, com o objetivo de:
:: Baixar custos de consumo de energia;
:: Reduzir riscos ambientais aos quais os clientes e a própria empresa possam estar expostos;
:: Saber potenciar a aposta numa estratégia verde;
:: Promover adequadamente o valor intangível da proposta verde da empresa; 

Este especialista aponta assim pistas inspiradoras para as marcas e empresas que queiram vencer num mercado cada vez mais e melhor informado, mais sensível ao impacto que o consumo tem no ambiente, estando esse mercado disponível para premiar as marcas com preocupações e valores semelhantes aos seus.

Há 3 meses, eu estive em Nova York, assistindo ao Fórum Mundial de Inovação e uma das palestrantes, a prestigiada professora Rebecca Henderson, da Universidade de Harvard, falou muito da importância que a proteção ambiental vai ter no futuro e das práticas que as empresas e marcas devem adotar para conquistar a fidelidade dos consumidores. Essa é uma forte tendência, que está vindo aí.

É também curioso o resultado da pesquisa Going Green to Be Seen, desenvolvido pelos professores universitários Griskevicius, Tybur e Van den Bergh. Essa pesquisa conclui que uma percentagem considerável de consumidores, que varia consoante a categoria do produto, compra “produtos verdes” e consome marcas ambientalmente responsáveis, não porque acredite nos méritos desses produtos, mas apenas porque quer ser visto como altruísta e porque consumir produtos e marcas amigas do ambiente é bem aceito pela sociedade. A pesquisa refere ainda que essa fatia de consumidores está mais preocupada com a sua imagem e posição social, do que propriamente com o ambiente.

Em qualquer dos casos, seja para conquistar o cliente que se preocupa sinceramente com a proteção ambiental, ou o grupo de consumidores que apenas quer ser visto como tal, a aposta das marcas de gama alta ou de luxo numa estratégia ambiental séria e consistente, é fundamental para poder vencer nos tempos futuros.

Mas uma vez colocado em prática esse plano ambiental, a marca não pode se descuidar. Nos dias de hoje, o mundo está em constante mudança, o mercado está num estado contínuo de fluidez e incerteza, obrigando a que as empresas e marcas estejam permanentemente atentas para reagir a essas mudanças e ajustar a sua presença junto dos clientes.

O sociólogo polaco Zygmunt Bauman chama The Liquid Society a esta sociedade em que vivemos, precisamente por essa característica de constante fluidez, mudança e incerteza. 

E não se prevê que ela volte a um processo de “solidificação”. Pelo menos, não nos tempos mais próximos.

António Paraíso
Consultor e Palestrante
www.antonioparaiso.com

23 outubro 2013

O Luxo está se tornando mais verde

O Luxo está se tornando mais verde
Por: Antonio Paraíso - Portugal

A recessão mundial que dura há 5 anos (começou em 2008 com a crise sub-prime e a falência do Banco Lehman Brothers, lembra?) afetou também a situação financeira de muitas pessoas que consomem luxo regularmente.

De alguma forma, os obrigou a reavaliar os seus estilos de vida e a repensar os valores pelos quais se regem. Entre outras, sentem preocupação crescente com o ambiente e privilegiam marcas que também a sintam. Quo vadis, Luxus?

Pamela Danzinger é uma das mais respeitadas investigadoras dos hábitos de consumo no universo do luxo. No seu estudo de mercado The Luxury Market Is Going Green and Luxury Brands Can't Afford to Ignore It (O Mercado do Luxo está se tornando mais verde e as Marcas de Luxo não podem ignorar esse fato), ela conclui que os consumidores com poder de compra alto (sobretudo nos Estados Unidos e na Europa) estão cada vez mais preocupados com a protecção ambiental e estão gradualmente adotando um estilo de vida green living.

A investigação indica que, por agora, as mulheres estão na frente dos homens nessa nova forma de estar e de consumir, e defende que mesmo depois da recessão, o mercado não voltará a ser como antes.

Por isso mesmo, as marcas de luxo que queiram reconquistar e fidelizar os seus clientes, mais do que adotar medidas avulsas de proteção ambiental, deverão desenhar um plano de marketing verde, como parte integrante da suas estratégias.
     
A loja de luxo Saks Fifth Avenue, nos Estados Unidos, lançou no seu site a página Green House, onde vende vestuário, artigos para casa e joalharia totalmente eco-friendly, fabricados com materiais recicláveis, mas o mais interessante nesta página é a série de sugestões de pequenos hábitos ecológicos, retirados do livro It’s Easy Being Green (É fácil ser verde), que o site oferece aos clientes e visitantes para que passem a ter comportamentos diários, ambientalmente mais responsáveis.

O grupo Accor, que possui mais de 4000 hotéis em 90 países e é dono de várias marcas, algumas de luxo, como a Sofitel, redefiniu a sua Carta Ambiental, acrescentando 65 novas ações sustentáveis, que cada hotel pode adoptar e sugerir aos seus clientes, para que as pratiquem e sintam ser possível consumir serviços de alta qualidade combinando exigências de proteção ambiental.

Refiro apenas estes 2 exemplos porque revelam uma tendência interessante que importa realçar e que pode ser mais eficaz na sedução de clientes: além de uma política ambiental, as marcas deverão sobretudo desenvolver e lançar ações que envolvam ativamente os clientes na adoção de “práticas verdes”, na sua vida privada e profissional.

Existem muitos exemplos de responsabilidade ambiental em quase todas as marcas, mas nem todas são bem sucedidas na comunicação com o mercado e são ainda menos as que decidem envolver ativamente os seus clientes, incentivando-os na adoção dessas práticas, nos seus comportamentos diários. Essa postura é socialmente meritória, mas sobretudo muito sedutora para os consumidores que sentem preocupação crescente com as questões ambientais, mas nem sempre sabem que contributos podem dar no seu cotidiano.
(Final da parte 1 > Parte 2 em breve)

António Paraíso
Consultor e Palestrante
www.antonioparaiso.com

18 outubro 2013

Quo vadis, Luxus? (Parte 2)

O mercado do luxo, tal como qualquer outro mercado, está mudando e as marcas que servem este nicho precisam saber por onde ele vai para adaptarem a sua oferta. Quo vadis, Luxus? (Parte 2)
Por: Antônio Paraiso - Portugal

No mundo da gastronomia de luxo, a confecção, por encomenda, de menus inspirados em obras literárias e em árias de ópera, consoante o gosto do cliente, são exemplos da criatividade, erudição, experiência e intangibilidade que, anteriormente, referi.

A personalização que uma conhecida marca de luxo faz, na loja, no momento de compra, gravando no frasco de perfume as iniciais do nome do cliente, é outro desses exemplos.

É fundamental que as marcas estejam permanentemente atentas e empenhadas em perceber o que o mercado quer e depois saibam surpreender os seus consumidores. Só assim os fidelizam.

No relatório “State of the Luxury Industry”, publicado pelo Luxury Institute em Nova Iorque, e elaborado com base em inquéritos a consumidores ultra-ricos, se destacam 3 ideias:

:: Os atributos mais valorizados pelos consumidores ultra-ricos numa marca de luxo são a qualidade extrema, a perfeição no trabalho manual, que o ingleses chamam de ‘superior craftmanship’ e um serviço de atenção máxima ao cliente;
:: Mais de 60% dos consumidores milionários acreditam que os preços dos produtos de luxo estão demasiado altos comparativamente com o valor que oferecem (e agora acrescento eu, que é interessante notar que os inquiridos não disseram que os preços eram caros, mas sim que estavam desajustados em relação ao valor percebido. Fica essa nota para reflexão);
:: Mais da metade dos consumidores milionários declararam que o atual estado da economia mundial fez com que mudassem de opinião sobre a indústria do luxo.

Esta pesquisa conclui que as marcas de luxo devem rapidamente reforçar o investimento em inovação, qualidade de materiais e de execução manual, mas sobretudo em serviço e atenção ao cliente.

Em minha opinião, as conclusões acima referidas revelam nas entrelinhas, informação importante que convida à reflexão e mudança.

Antonio Paraíso
Consultor e Palestrante
www.antonioparaiso.com

16 outubro 2013

Quo vadis, Luxus? (Parte 1)

O mercado do luxo, tal como qualquer outro mercado, está mudando e as marcas que servem este nicho precisam saber por onde ele vai para adaptarem a sua oferta.
Quo vadis, Luxus? (Parte 1)
Por: Antônio Paraiso - Portugal

O mundo do luxo parece possuir um magnetismo fascinante. Atrai. 
Atrai atenções, curiosidade, desejos de pertença. 

Atrai pelo que tem de qualidade visível e absolutamente irrepreensível, mas sobretudo pelo que tem de intangibilidade, mistério, classe, inovação, história, tradição, exclusividade, sofisticação e prazer para os sentidos, que o torna acessível por poucos e desejado por muitos.

Em minha opinião, o luxo é um estado de espírito. É uma forma de estar na vida. É muito mais do que apenas poder de compra alto. Mademoiselle Coco Chanel um dia terá dito que «há quem pense que o luxo é o contrário de pobreza. Mas não é. Ele é o contrário de vulgaridade». Essa frase me inspira todos os dias. Concordo em absoluto com Mademoiselle Chanel.

De fato, o poder de compra alto e despreocupado não é o único fator característico dos mercados de luxo. Normalmente, estes também se pautam pela educação, elegância, saber estar, cultura, (bom) gosto, intelecto apurado, apreço pela exclusividade e permanente criatividade.

Susana Campuzano, consultora espanhola especialista nos mercados de luxo, de quem sou amigo, refere no seu livro El Universo del Lujo, que o gosto, enquanto capacidade de apreciar a beleza, delimita o acesso ao luxo.

É importante que as marcas e profissionais que trabalham o segmento de luxo façam reflexão sobre estas ideias para saberem introduzir nas suas ofertas alguma erudição, seja arte ou outra qualquer forma de cultura, que verdadeiramente faça a diferença, apresente inovação, proporcione experiência inesquecível e acrescente a intangibilidade que justifica o preço alto e conquista o seu público.
(Final da parte 1 > Parte 2 em breve).

Antonio Paraíso
Consultor e Palestrante
www.antonioparaiso.com

14 outubro 2013

Colaboração Internacional: Série Visão Global

Caros amigos, é com muita alegria venho comunicar a todos, que o Blog MAC agora tem uma parceria internacional em seus posts, meu amigo Antonio Paraíso aceitou uma colaboração com o Blog MAC e em breve publicaremos vários artigos onde ele partilha sua visão sobre o mercado do luxo e algumas tendências internacionais.

Segue um breve currículo para que todos possam conhecer o mais novo colaborador do Blog MAC.

Antonio Paraíso estudou em Londres, Porto e Madrid. Viveu também na Alemanha.

Este consultor e palestrante português é especialista em luxo, marketing, inovação e negócios internacionais.

Trabalhou mais de 18 anos como Diretor Comercial no Mercado internacional, visitou mais de 40 países, em 4 continentes e fez negócios com árabes, russos, europeus, brasileiros, japoneses, americanos, entre muitos outros povos, desenvolvendo uma forte experiência multicultural.

Ele tem mais de 25 anos de experiência, no relacionamento com clientes.

Colaborou com o Fórum Mundial de Marketing e Vendas e publica regularmente artigos em revistas de marketing em Portugal.

Na feira internacional de luxo – Carnival of Luxury – foi embaixador do evento, juntamente com a Senhora Condessa Corinne Tatiana von Nordmann, membro da Administração da Metropolitan Opera, em Nova York.

Apaixonado pelo universo da hotelaria de luxo, ele gosta do detalhe e do serviço que surpreende.

Para além da Licenciatura em Gestão pela Universidade do Porto, concluiu um MBA Executivo na Porto Business School, o Diploma in International Trade and Distribution na London School of Foreign Trade e o Programa Superior Ejecutivo en Dirección y Gestión Estrategica del Universo del Lujo na IE Business School em Madrid, uma das melhores escolas de negócios do mundo, segundo o prestigiado ranking do Financial Times.

Foi professor de Marketing Internacional, fala 5 idiomas e é um adepto fervoroso de inovação.

Em palco, Antonio Paraíso é um comunicador que prende a atenção, com energia positiva.

Os amigos deste palestrante internacional dizem que ele é um contador de histórias. 

Antonio Paraíso
Consultor e Palestrante
www.antonioparaiso.com  

30 setembro 2013

Silver Arrow of the Seas

Crédito: Divulgação/ Silver Arrows Marine

SILVER ARROWS MARINE CONFIRMA PROJETO DETALHADO E ESPECIFICAÇÕES DO PRIMEIRO IATE MERCEDES-BENZ E ABRE PEDIDOS

MONTECARLO, 27 de setembro de 2013: Silver Arrows Marine, em conjunto com Mercedes-Benz Style, anunciou ontem, 26, no Monaco Yacht Show 2013, o projeto final e especificações do iate "Silver Arrow of the Seas". Com muitas das características de design dos automóveis da Mercedes-Benz, combinadas com uma nova abordagem radical para a funcionalidade de um iate de luxo e estética, o iate de estréia é chamado ARROW460-Granturismo. Com encomendas abertas, Silver Arrows Marine confirma o preço do novo iate altamente contemporâneo.


ARROW460-Granturismo será lançado inicialmente com uma exclusiva edição limitada, uma versão totalmente equipada chamada de Edição 1, que vai custar 1.250.000 € acrescido de IVA, e os primeiros iates serão entregues aos clientes em 2015. O design final interior e exterior ao estilo Mercedes-Benz, juntamente com um modelo de dois metros em escala do barco acabado, estão sendo exibidos pela primeira vez no Mônaco Yacht Show. ARROW460-Granturismo será diferente de qualquer outra embarcação na água, fazendo jus ao seu faturamento como o "barco a motor de 14 metros desenhado e construído como um superiate".



Cumprindo o  sonho de construir um iate que combina o melhor dos mundos automotivo e náutico, ARROW460-Granturismo possui o dinamismo inconfundível e a elegância de um automóvel Mercedes-Benz top de linha. Os desenhos finais revelam também muitas inovações do iate, agora confirmados para a produção após 12 meses de desenvolvimento e de testes, que desde o primeiro conceito e ideias foram mostrados em Mônaco - no ano passado.


"Nós criamos algo único com ARROW460-Granturismo", disse Ron Gibbs, presidente da Silver Arrows Marine. "Estou convencido de que, por muitos anos o iate será muito atraente para os mares e marinas do mundo”. O design do iate a motor, em sua produção, se manteve notavelmente muito próximo ao conceito mostrado há um ano. Com a sua longa proa, um fluxo suave, teto arqueado e a marca Mercedes-Benz de uma linha descendente para a parte traseira, o design é inspirado nas proporções clássicas de automóveis. O casco muscular e esticado é dinâmico mas não agressivo, sofisticado mas não sujeito à moda.


Gorden Wagener, Vice-Presidente de Design da Daimler Ag., disse: "Esse novo iate a motor com as suas características emocionais e de alta tecnologia incorpora a nossa filosofia de design da Mercedes-Benz de pureza sensual e é uma expressão perfeita de luxo moderno". ARROW460-Granturismo oferece uma nova dimensão na versatilidade de iate a motor, mesclando áreas internas e externas para que todos possam desfrutar da vista e da brisa do mar. Janelas laterais com aberturas elétricas como carros; cobertura de vidro; seção dianteira que se inclina para criar um efeito "pérgola de vidro”, são características. 

Para garantir os níveis máximos de conforto, a cobertura é feita de um tipo de vidro "inteligente" que controla automaticamente a penetração da luz, dependendo da intensidade do sol. O efeito é para preencher o grande interior em plano aberto com luz e abri-lo para o mundo exterior de uma forma mais parecida com “loft living” jamais oferecido por um barco dessa classe.


O conceito inovador da cabine ao estilo Mercedes-Benz evita um interior compartimentado de um iate a motor comum e oferece, ao invés, uma espaçosa área relaxante para até 10 pessoas. Esta área pode ser facilmente transformada em uma grande sala de jantar ou suite - esta última com cama king size. Tanto a mesa de jantar quanto a cama são facilmente escondidas, deslizando eletricamente as posições quando necessário. Maior conforto e total privacidade são assegurados por uma unidade luxuosa formada por banheiro e área de serviço separada.

A multifuncionalidade do ARROW460-Granturismo é notável e faz o iate adequado até para viagens e excursões durante a noite. Assim como o lado de fora, o interior mostra todos os valores característicos da Mercedes-Benz, com materiais como couro nubuck, paines de madeira de eucalipto e malha sintética. Com formas suaves e amplas, excepcionais detalhes e combinações de cores sofisticadas, o iate oferece toda uma nova estética para um barco desta classe. 

As versões da Edição especial 1 virão padronizadas com amplos recursos para enriquecer a experiência de vida a bordo, bem como sistemas premium de ar-condicionado e de áudio. O iate será equipado ainda com armazenamento de vinho refrigerado, uma máquina de fazer gelo e uma máquina de lavar louça. Integra no iate um sistema de compressão de ar para a inflação fácil dos tenders e dos brinquedos de água.

Acessos completos no lado exterior são proporcionados, com corrimões integrados ao projeto demonstrando a excelente atenção aos detalhes que o estilo Mercedes-Benz alcançou. Espreguiçadeiras ajustáveis ​​são construídas na proa. Na popa, uma plataforma hidráulica e tecnológica estende seu espaço como e quando necessário, proporcionando uma das características da assinatura da ARROW460-Granturismo: uma "esplanada sobre o mar". A grande área de relaxamento, oferece acesso amplo para a natação e esportes aquáticos, e é complementada por um conceito flexível com as "espreguiçadeiras", confirmando o barco como o mais sociável dos iates a motor.

Amplo e acolhedor espaço de entretenimento do iate é reforçado por um piso e de fácil conexão com todas as áreas do barco. O convés, que é normalmente de madeira utilizada para embarcações, é feito de um material sintético que se estende para o âmbito criativo com uma aparência totalmente nova. Pela primeira vez, Silver Arrows Marine confirmou os detalhes do casco e do sistema de potência após meses de testes do protótipo através de um programa de desenvolvimento que tem mais relação com a indústria automobilística do que com a indústria náutica. Mantendo-se fiel ao objetivo, o iate alcança alto desempenho, mas sem comprometer o conforto.

ARROW460-Granturismo será alimentado por dois motores a diesel de 353 kW (480hp) cada. A velocidade de cruzeiro é de cerca de 28 nós com uma velocidade máxima de cerca de 40 nós. O desempenho do casco especial de aplainamento desenvolvido para ARROW460-Granturismo foi otimizado utilizando a Dinâmica dos Fluidos Computacional (CFD - Computational Fluid Dynamics) para atingir não apenas a alta velocidade, mas o conforto em toda a volta, juntamente com os mais altos padrões de navegabilidade. O casco apresenta linhas profundas em “V” na parte da frente para a boa movimentação, três rails de pulverização intermediários para desviar a água o máximo possível, e túneis especias para hélices permitinfo uma configuração shaftline convencional.

A Edição 1 do Granturismo dos mares pode ser encomendada diretamente pela Silver Arrows Marine (www.silverarrowsmarine.com) para entrega em 2015. 

Sobre Silver Arrows Marine

Da Grã-Bretanha, Silver Arrows Marine trabalha com designers de renome internacional, arquitetos navais e engenheiros para trazer ao mercado iates a motor inovadores que evitam compromissos tradicionais e introduzem um novo padrão de ouro, de elegância, praticidade e facilidade de uso. Mais informações:

www.silverarrowsmarine.com 

Sobre Mercedes-Benz Style

Desde 2010, além de design de automóveis clássicos, os designers da Mercedes-Benz também criaram os projetos para outros produtos em cooperação com parceiros selecionados sob o rótulo Mercedes-Benz Style. O objetivo é transferir o inconfundível design progressivo da Mercedes-Benz e seus elevados padrões de luxo e estética para outras esferas da vida. Todos esses produtos de grife são cuidadosamente selecionados, materiais requintados e acabamentos perfeitos.

Mercedes-Benz Style mostra todo o seu portfólio de produtos no Monaco Yacht Show, de móveis, óculos e malas para um modelo de seu primeiro projeto de design, a Eurocopter EC145. O portfólio completo do Mercedes-Benz Style pode ser visto em www.mercedes-benz-style.com

Mais infos

Paolo L. Bonaveri
Communications and Public Relations Director
Paolo.bonaveri@silverarrowsmarine.com

Gianluca Poerio
Press Officer
00336 03497106
press@silverarrowsmarine.com

Press Office - Assessoria de imprensa – Brasil

Larissa Andrade ou Natália Alcântara
+55 47 3368 4837/ 47 8498 0763
larissa@rotascomunicacao.com.br ou redacao@rotascomunicacao.com.br 

24 setembro 2013

O luxo descobre o interior do Brasil.

O mercado de luxo no Brasil continua a sua escalada para o topo, as vendas já triplicaram nos últimos sete anos. Chegaram a 20,7 bilhões de reais em 2012. E a expectativa a longo prazo é que haja um crescimento de 10% a 20% ao ano até 2020, de acordo com  a consultoria MCF. Mais de 40 grifes internacionais como a francesa Hermès e a italiana Prada já operam  no país desde 2009.

Com essa tendência de crescimento, as marcas descobriram novos horizontes,
e deixaram o eixo Rio-São Paulo, e fincam suas bandeiras em novos territórios, por exemplo em outubro de 2012, o Shopping RioMar, em Recife, foi inaugurado com lojas da inglesa Burberry e da alemã Hugo Boss.

Agora o Sul do país está sendo alvo dessas grifes, foi inaugurada em setembro, no Shopping Pátio Batel, em Curitiba, a francesa Louis Vuitton e a joalheria americana Tiffany.

“O Brasil é grande demais, não faz sentido para uma grande marca de luxo pensar apenas em São Paulo”, diz Gabriele Zuccarelli, sócio da consultoria Bain & Company.

São estratégias mercadológicas totalmente diversificadas,  e específicas para o mercado Brasil, pois o consumidor brasileiro tem uma cultura de compra diferente em relação ao mercado europeu.

Infelizmente ainda as barreiras fiscais que país possui, atrasa ou até amedronta outras marcas de se aventurarem a trilhar seus caminhos por aqui, só uma mudança radical e a eliminação dos vários obstáculos burocráticos e fisicas, o Brasil se tornará uma referência no mercado de luxo perante os países emergentes.

Marc Sjostedt, Chapoulaud-Floquet e Isabelli Fontana

Fachada da Louis Vuitton em Curitiba
Fotos: (Fotos: Kraw Penas, Ricardo Pacak e Michel Willian/Divulgação)

23 setembro 2013

A melhor ação de marketing em 2013.

Sem sombra de dúvidas esse mês de setembro fomos impactados pela melhor ação de marketing em 2013. O Conde Chiquinho Scarpa movimentou as redes sociais e anunciou que enterraria um de seus carros favoritos, o modelo Bentley Continental Flying Spur.

Em seus posts, ele anunciava que o sepultamento estava agendado para  sexta-feira dia 20/09 às 11 horas, e para a surpresa de todos no entanto,era apenas uma ação de marketing – e para deixar bem claro que não era da fabricante Bentley.

O  milionário desvendou o grande mistério: tudo não passava de uma ação para promover a semana da campanha de doações de órgãos e tecidos, que acontece de 23 a 27 de setembro, em uma parceria entre o governo federal e a Associação Brasileira dos Transplante de Órgãos.

A campanha contemplava também banners com a mensagem:  "Absurdo é enterrar algo muito mais valioso do que um Bentley: Seus órgãos.



19 setembro 2013

Lujo online: peligro, necesidad y oportunidad.


Por Diego Schvartzman - Presidente MdL Luxury Consulting Group - Colunista Forbes Argentina

Lujo online: peligro, necesidad y oportunidad.

Todos sabemos cuánto la Internet cambió nuestra vida, o por lo menos tenemos una idea al respecto. Efectivamente la Internet no solamente ha tenido un impacto sobre nuestra realidad diaria sino que este fenómeno ha cambiado definitivamente la forma de relacionarnos en todos los aspectos tanto personales como en los negocios. “A cada cien años aproximadamente, se produce una transformación brusca en la historia del occidente. Luego en unas pocas décadas la sociedad se reacomoda por sí misma: su visión del mundo, sus valores básicos, sus estructuras sociales y políticas, sus artes, sus instituciones claves. Cincuenta años más tarde hay un mundo nuevo” – Peter Drucker.

Esta revolución digital ha impactado todos los sectores de la sociedad y de las más diversas áreas de negocios, para el Lujo no fue diferente. Para un segmento, un modelo de estrategia de negocio apoyado sobre atributos como exclusividad, encantamiento provocado a través del misterio, de la escasez, la postura elitista y la irracionalidad como una característica definitiva de consumo, la internet es un peligro, una paradoja que representa una amenaza. La World Wide Web es democrática, objetiva y permite una nivelación absoluta permitiendo acceso a todo y a todos por igual.
Si consideramos que el comercio electrónico superó en 2012 la cifra de U$ 1 trillón y se proyecta un crecimiento de 18.3% para este año, según datos de mercado, el sector del Lujo se encuentra en un dilema: la amenaza se transformó en una necesidad.

Estos números aliados a los cambios profundos en los perfiles y hábitos de compra de los consumidores se suman a las exigencias financieras y de expansión de las grandes marcas controladas por los grandes grupos como LVMH, PPR (Kering) y Richemont.

Las marcas de Lujo están presentes en la Internet desde hace tiempo a través de sus sitios institucionales y poco a poco han iniciado diversos niveles de incorporación de ventas en línea por canales propios o apoyándose en plataformas multimarcas como Net-a-Porter.com, perteneciente al grupo Richemont, que está presente en más de 172 países con ventas que superan los 400 millones de euros. Los productos de perfumería y cosmética detienen la mayor performance y desarrollo en línea. Un ejemplo de este crecimiento es Sephora, multi-marca de perfumería y cosmética perteneciente al líder mundial del Lujo, el grupo LVMH, que sobrepasó los 4 mil millones de euros en ventas globales entre sus locales e internet y que recientemente compró la brasilera SAK’S, empresa de comercio electrónico con más de 800 mil clientes.

Pero para que la necesidad se transforme en oportunidad y que pueda desarrollarse en Internet, el Lujo deberá superar varios desafíos, y sin duda la coherencia será su principal herramienta. Como en todo su desarrollo como modelo de negocio y diferenciación competitiva, el sector del Lujo debe ofrecer mucho más que productos, debe continuar transmitiendo experiencias a través de la inclusión de contenidos. Para muchos expertos, la internet no debería tener la intención puntual de vender, sino de ser una plataforma de relacionamiento con sus clientes, una forma de hacerse presente y mantener el vínculo, el brand awareness. Para otros, el crecimiento exponencial del mundo virtual es irreversible y su impacto en las estrategias y fundamentalmente en las ventas será cada vez más determinante.

Las marcas de Lujo siguen buscando la mejor forma de participar y porque no, de competir en un campo que le es bastante adverso. Las redes sociales, los videos virales creados por grandes directores de cine, accesos exclusivos a desfiles online  y algunos juegos interactivos para smatphones y tablets son parte de las estrategias utilizadas por el Lujo que al mismo tiempo se ve expuesto a un universo donde debe compartir espacio con productos falsificados que confunden clientes y que representan actualmente cerca de 100 mil millones de dólares en ventas según la empresa americana Mark Monitor.  
El Lujo online crece entre 20 y 25% anuales desde 2008, y aunque en la actualidad este canal aún representa apenas el 5% de las ventas totales del sector, se proyecta que el mismo doblará su participación y alcanzará el 10% hasta 2015.

Se quiser pode baixar o PDF da reportagem aqui

18 setembro 2013

Balneário Camboriú é comparada a Mônaco, famoso principado francês!

O mercado imobiliário de luxo no Brasil tem novo endereço, e fica no Sul do país.
Com belas praias e paisagens exuberantes, luxo, marina, alta gastronomia, infraestrutura e opções de lazer. São essas características que levaram Balneário Camboriú a ser comparado com o Principado de Mônaco no sul da França, famoso destino turístico europeu.

Com essas características a procura por imóveis de alto padrão não param de crescer,
e isso faz os preços acompanharem a moda. Os Imóveis mais luxuosos passam de
R$ 5 milhões de reais, o preço médio do metro quadrado fica entre R$ 4 mil e R$ 8 mil, variando de acordo com a região da cidade.

De acordo com a FG Empreendimentos, é o metro quadrado mais caro do Estado.
E a tendência e de crescer ainda mais nos próximos 5 anos, para se ter uma idéias está sendo construído em Balneário Camboriú um aranha-céu que será o mais alto da América do Sul, com 66 andares o edifício foi projetado para ter 240 metros de altura e ampla infraestrutura.

O Infinity Coast, como foi batizado, tem em sua arquitetura inspiração nas famosas estruturas arquitetônicas de Dubai. O edifício ainda terá uma vasta infraestrutura de resort, com cerca de 23 itens, incluindo spas externos, mini golf, muro de escalada, cinema, pub, pomar, game station, wine bar e health club com academia, estúdio de pilates, sauna seca e úmida, salas de massagem e de descanso. O empreendimento está sendo construído em um terreno 4.500 m² na Barra Norte, em Balneário Camboriú, considerada localização estratégica na cidade.






Fonte: EconomiaSC / CorreioWeb - Lugar Certo

17 setembro 2013

Clicquot Yellow Trailer

Uma novidade desembarcou no Brasil para os apreciadores de Champagne, em parceria com a Cavist, grupo de restaurantes e lojas de vinhos do Rio, e o Village Mall, shopping de luxo localizado na Barra da Tijuca, a Maison Veuve Clicquot inaugura o Clicquot Yellow Trailer par Cavist.

Trata-se do charmoso trailer personalizado da marca, onde oferece serviços especiais de champagne, acompanhado por aperitivos. E ainda, a loja dispõe da venda exclusiva de taças amarelas da lendária marca.



Fonte: Exame / Clicquot Yellow Trailer par Cavist from Veuve Clicquot Brasil on Vimeo.


11 setembro 2013

Zegna e Maserati, exclusividade ao limite!

Quando a história da tradição e o espírito da exclusividade se juntam, nasce o magnífico. Essa é a definição para a nova parceria entre a Grife Italiana Zegna com a Maserati.

Foi apresentando no 65°International Motor Show em Frankfurt na Alemanha o seu carro conceito a Maserati Quattroporte Ermenegildo Zegna Limited Edition. Onde serão produzidas apenas 100 unidades dessa jóia que já nasce com título de preciosidade.

Confira abaixo as fotos:


Mr. Gildo Zegna e Mr. Wester, CEO da Maserati, durante o 65° International Motor Show





Serviço:
65°International Motor Show :: Frankfurt/Alemanhã
12 a 22 de Setembro 2013
http://www.iaa.de/en/

Fonte: Facebook Zegna

10 setembro 2013

6ª edição do Festival Náutico - Balneário Camboriú/SC

Entre os dias 05 e 08 de setembro, aconteceu na Tedesco Marina Garden Plaza, em Balneário Camboriú, a 6ª edição do Festival Náutico. O Blog MAC teve o prazer de participar e registrar o evento, que contou com a participação de vinte e cinco expositores com produtos e serviços de luxo voltados para o mercado náutico e outros segmentos (carros, motos, construção civil, turismo, moda).

A expectativa era movimentar mais de R$ 40 milhões em negócios e receber um público em torno de 15 mil visitantes. Ente os expositores, estavam os dez grandes estaleiros nacionais e internacionais e seus revendedores onde apresentaram seus principais modelos com dimensões que variam de 17 a 73 pés. O mercado náutico de luxo em Santa Catarina está em alta e eventos como esse ajudam a impulsionar a economia local.
Confira algumas fotos do evento:















Serviço
O que: 6º Festival Náutico 
Local:Tedesco Marina Garden Plaza
Data: 5 a 8 de setembro de 2013
Endereço: Avenida NormandoTedesco, 1350, Barra Sul - Balneário Camboriú/SC
www.tedescomarina.com.br


09 setembro 2013

Cobertura Labace 2013 - São Paulo/SP

O mercado de luxo esteve em evidência em São Paulo, entre os dias 14 e 16 de agosto o aeroporto de Congonhas foi palco da décima edição da Labace (Latin America Business Aviation Conference & Exhibition), na qual tivemos o privilégio de conhecer alguns dos jatos executivos mais modernos e luxuosos do mundo. Entre os vários expositores damos destaque para a brasileira Embraer com o seu lançamento Legacy 500, o francês Dassault Falcon 2000S e o americano Gulfstream G650 . Com aeronaves que chegam na ordem de US$ 64,5 milhões, o evento recebeu mais de 17 mil pessoas entre convidados, apreciadores no mundo da aviação, imprensa e compradores do mundo todo. Calcula-se que os negócios chegaram na casa de US$ 700 milhões. O Blog MAC esteve presente e registrou algumas fotos desse brilhante evento. Confira: